• Alexandro Barsi

A importância de definir (e refletir) sobre seu propósito



Uma das maiores referências em gestão corporativa baseada em propósito, o publicitário norte-americano Joey Reiman recupera Aristóteles para chegar a uma das melhores definições que já ouvi: propósito é a intersecção entre talentos e paixões individuais e as necessidades do mundo. Em um de seus livros, “Propósito: por que ele engaja colaboradores, constrói marcas fortes e empresas poderosas”, Reiman diz que só pode dizer que tem propósito alguém que se esforça para transcender suas próprias vontades e, assim, contribui para fazer do mundo um lugar mais brilhante.


Para usar mais um dos conceitos expostos no livro, digo que você, como fundador, gestor ou representante de uma empresa, precisa fazer sua companhia evoluir do conceito de brand para o de stand. Compreendo que seja complexo equilibrar essa balança. Em um primeiro momento, você pode até refutar o que eu estou dizendo, alegando que, estando focado em fazer a empresa prosperar, não há tempo hábil para se preocupar com essas questões mais sensíveis.


Mas é necessário separar tempo para dar uma atenção maior a esse ponto. Fazendo isso, percebi que, ao encontrar meu propósito de vida e incorporá-lo à minha rotina, ficou muito mais fácil achar um outro propósito, tão importante quanto o anterior: o propósito geral que rege as ações da nossa companhia – o motivo que a leva a existir.


Eu defini meu propósito muito cedo, logo aos 11 anos. Na época, meu pai se aposentou por invalidez precocemente e eu precisei começar a trabalhar. Decidi, então, que iria batalhar e fazer o que fosse preciso para ter autonomia em minha carreira. Resolvi que meu propósito seria ter um negócio próprio, que me propiciasse condições financeiras para ajudar minha família e também muitas outras pessoas.


Como um mantra, uma tatuagem, incorporei esse propósito a todas as decisões que tomei em minha vida e me orgulho em dizer que avancei bastante nesse sentido. No entanto, ao refletir sobre isso hoje, preciso admitir que essa atitude me custou dezenas de momentos pessoais. E foi só há poucos anos que percebi que o meu propósito estava tomando um pedaço da minha vida muito maior do que deveria. Estava tão focado em crescer que deixei de viver momentos felizes dentro e fora da empresa.


Com base nessa experiência, gostaria de dar algumas dicas para auxiliar você a parar e refletir sobre seu propósito:

  • Verifique se seu propósito não está invalidando que você viva o presente;

  • Tenha em mente que o mesmo remédio não cura dores diferentes;

  • Acalme sua voz interior, aquela que está sempre gritando ‘faça isso’, ‘faça aquilo’, ‘foque no trabalho’;

  • Entenda a importância de se doar;

  • Honre e respeite sua história;

  • Conheça-se verdadeiramente;

  • Ouse fazer diferente;

  • Construa sua história de forma proativa. Não deixe a vida passar;

  • Amplie seu propósito: a vida não é só trabalho

Aqui na Verity descobrimos que nosso principal propósito é usar a tecnologia para transformar a vida das pessoas. E você? Já definiu o seu?


9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo